Platform Thinking gera Platform Strategy.

No artigo anterior, detalhei o conceito de plataformas e hoje vou me focar na estratégia.

A Estratégia de Plataformas consiste em mobilizar, empoderar, ajudar um ecossistema já existente a criar valor de uma ou de várias maneiras mais eficientes, com o objetivo de capturar uma parte desse valor gerado.

Uma estratégia de plataforma é composta por vários elementos: narrativa, tecnologias, regras, canais, contextos, serviços habilitados, protocolos e muito mais.

Em geral, uma estratégia de plataforma tem a ver com fazer evoluir uma oferta de produto e serviço ou uma organização, ou explorar um novo mercado e suas possibilidades.

Existem dois contextos principais de aplicação:

No hay texto alternativo para esta imagen

Mobilização do Ecossistema

Um contexto comum de aplicação das estratégias de plataforma é modelar e mobilizar ecossistemas que já existem. Como dizemos frequentemente, a estratégia e o desenho se baseiam na observação do emergente: realmente não se pode desenhar uma estratégia para um ecossistema que não existe (existir = já está criando e trocando valor). Do contrário, seria como projetar uma solução para um problema que não existe.

Se você perceber que o valor está sendo criado e comercializado no mercado (ou em outro contexto que normalmente não seria chamado assim, como, por exemplo, a sua organização): se você vê produtores e consumidores que se organizam em torno da criação de valor e acredita que esse mercado está funcionando abaixo do seu potencial, então esse contexto é perfeitamente valioso para ser organizado por meio de uma estratégia de plataforma que amplie seu potencial. Este contexto de aplicação é chamado de mobilização do ecossistema.

Inovação de Produtos & Serviços

Outro caso recorrente é o de quem está tentando usar a abordagem de plataformas para organizar um grande ecossistema de interações que já existe, ou poderia existir, em torno de produtos ou serviços que a organização já fornece. Nesse caso, já existe um ecossistema de entidades que usam o produto ou serviço como um componente de uma cadeia de valor que leva a serviços de maior valor: quem configura a plataforma (modelador de plataforma ou platform shaper) pode querer organizar melhor esse ecossistema, facilitando interações de maior valor. Chamamos esse contexto de aplicativo de inovação de produto/serviço (através de plataformização).

Os Padrões de Plataformização

Lembre-se de que a estratégia de plataforma é baseada em dois pilares: a criação de duas máquinas, a Máquina Transacional e a Máquina Educativa.

No hay texto alternativo para esta imagen

Antes de tudo, a plataforma deve ajudar a cauda longa a se fragmentar. Além disso, deve permitir que mais nichos surjam, existam e cresçam.  Reduzir o custo de transação por meio da construção de uma grande Máquina Transacional ou reduzir as barreiras de entrada, fornecendo uma infraestrutura compartilhada em torno de pequenas oportunidades de mercado (reduzindo claramente o custo marginal de interação)

Além de reduzir o custo de transação, outra missão principal do proprietário da plataforma é projetar e conduzir a Máquina Educativa:

  • como você dará suporte ao número crescente de entidades que você possibilita que atuem no ecossistema?
  • como você fornecerá um processo dedicado para a melhoria contínua e a aprendizagem?
  • como você ajudará as entidades a progredirem no processo de três etapas de Onboarding, Melhoria e Descoberta de novas oportunidades de interação?

Este conteúdo foi criado por Simone Cicero.

LICENÇA: Este White Paper está licenciado sob a Atribuição-NãoComercial-Compartilha Igual 4.0 Internacional de Creative Commons (CC BY-NC-SA 4.0).

Babel-Team selecionou, traduziu, comentou e publicou este conteúdo em português para sua rede de contatos no LinkedIn.

Quero acompanhar as novidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.