As últimas décadas viram várias estratégias de marketing surgirem no universo corporativo, especialmente, em função do advento da internet. A maioria delas gira em torno do inbound marketing e do marketing de conteúdo como um todo.

Embora exista alguma polêmica sobre o outbound marketing estar ou não estar superado, e sobre qual será o seu futuro no mercado, o fato é que o inbound cresce a cada dia que passa, e já não pode ser ignorado por nenhuma empresa.

De fato, ele nada mais é que uma estratégia dentro do marketing de conteúdo, que também ficou conhecido por ser uma das modalidades que mais repercutem nas tendências atuais das novas gerações de compradores e consumidores.

A verdade é que a relação das pessoas com as marcas e com a rotina de compra e venda realmente mudou, sobretudo em função da esfera digital. E com isso, o mundo da publicidade também precisou se reinventar.

É nesse cenário que surge o inbound marketing. Então se você não quer ficar de fora das principais novidades sobre isso, e ainda quer descobrir como é possível se destacar da concorrência nessa área, siga conosco até o final da leitura.

Geração Z e a importância do conteúdo

Tornou-se famosa a teoria das Gerações X, Y e Z. Esses últimos demarcam a geração das pessoas nascidas em meados do ano 2000.

A intenção desta tese é meditar sobre o impacto da tecnologia e da internet na vida das pessoas mais novas – que aliás foi enorme.

Hoje, as gerações anteriores são consideradas “imigrantes digitais”, o que quer dizer que com a popularização de certas tecnologias elas simplesmente se adaptaram.

Trata-se das gerações que ao precisar de serviços rotineiros como jardinagem, instalação de tela mosquiteira retrátil, pintura e similares, contava com recursos off-line como catálogos, panfletos, indicação boca a boca, e daí por diante.

Já a Geração Z é conhecida como sendo a dos “nativos digitais”, ou seja, a geração daqueles que já crescem sob um forte impacto dos smartphones, dos tablets e dos aplicativos mobile.

Naturalmente, ao precisar de um serviço ou de um produto, essas pessoas terão outro ponto de vista sobre como deve ser a relação de compra e venda.

É aí que entra o papel do inbound marketing. No outbound a empresa faz uma prospecção ativa, com forte apelo comercial em torno de promoções e recursos afins.

Já o inbound, mesmo ao anunciar serviços rotineiros como um sistema de irrigação automatizado ou qualquer outra solução de casa e construção, fará uma abordagem com menos cunho comercial e mais conteúdo/comunicação.

Essa comunicação ou prospecção passiva visa desenvolver uma relação entre as partes, dando espaço para o cliente em potencial compreender melhor o produto ou serviço em questão, antes de se dispor a investir naquela solução.

Por isso, o primeiro passo fundamental para se destacar da concorrência com a aplicação do inbound marketing é se dando conta do papel essencial do conteúdo dentro dessa estratégia.

Quais os tipos práticos de inbound marketing?

As novas gerações de consumidores podem ser conhecidas como as gerações que consomem conteúdos e experiências marcantes. Para elas, os produtos e serviços são algo como uma mera consequência natural.

Por isso mesmo, o marketing de tipo inbound, além de ser conhecido como prospecção passiva, costuma ser chamado de “marketing de atração”.

Com ele, ao provar sua autoridade na solução de determinado nicho de mercado, a empresa transmite a segurança que as pessoas precisam para se tornarem clientes.

Isso é verdadeiro para qualquer tipo de produto ou serviço, mas é ainda mais verdadeiro para soluções modernas e tecnológicas, como o uso de energia solar para chuveiro.

Naturalmente, anúncios sobre essa solução que venham no formato de inbound marketing tenderão a atrair muito mais visitantes, leitores e clientes em potencial, do que meras propagandas em torno de preços, prazos e promoções quaisquer que sejam.

Mas afinal, quais são os tipos de “conteúdo” de que o inbound tanto fala? Hoje os formatos mais praticados são os seguintes:

  • E-mail marketing;
  • Newsletters;
  • Blogs e vlogs;
  • Podcasts e webinários;
  • Redes sociais;
  • SEO (otimização);
  • E-books e apps;
  • Entre outros.

As newsletters são os famosos boletins periódicos, que aliás já existiam antes do advento da internet. 

Uma empresa de limpeza de fachada a seco, por exemplo, pode alimentar sua clientela com novidades sobre essa área de atuação comercial.

Já com o recurso dos e-mails essa estratégia pode integrar uma campanha de inbound marketing, com a qual é possível fazer os leads avançarem pelo funil de vendas.

Antes de falarmos sobre as demais modalidades de inbound, portanto, vamos compreender melhor a importância do funil de vendas.

Por dentro dos leads e do funil de vendas

Os leads nada mais são do que contatos de pessoas que podem vir a se tornar clientes do seu negócio. 

Como o inbound marketing lida com etapas, esse conceito é fundamental para uma melhor compreensão e prática dele.

Como vimos acima, é possível criar um canal de comunicação com o seu público por meio de texto, áudio ou mesmo vídeo. 

Em qualquer um dos casos, entre os visitantes se tornarem clientes e propagadores da sua marca, há algumas etapas.

O começo de tudo é a atração. O seu conteúdo sobre home planejado para sala de TV precisa chamar atenção, estando presente em vários canais e por meio da otimização, conforme veremos mais adiante.

Depois da atração, começa a etapa de conversão: a ideia é conseguir os contatos da pessoa e obter mais informações sobre ela. 

Nessa etapa o tipo de conteúdo que se gera é mais direcionado conforme os perfis atingidos.

Quando o contato amadurece e se torna um prospect, é hora de o setor comercial fazer o contato e a venda, seja por telefone ou videoconferência, seja por e-mail ou mediante uma página criada para essa finalidade.

Por fim, temos uma etapa que o inbound marketing prioriza bastante (ou ao menos deveria), embora muitas vezes as empresas acabem se esquecendo dela.

Trata-se da etapa de encantamento, que é uma das grandes dicas sobre como se destacar da concorrência no uso do inbound.

Afinal, depois de toda uma comunicação em torno de um produto como móveis de plástico para área externa, certamente seu cliente estará disposto não apenas a comprar outros artigos similares, como a indicar a empresa que atendeu suas necessidades.

É por isso que o funil de vendas não pode acabar após a primeira venda. Hoje as empresas lutam para que, mais do que clientes, as pessoas se tornam verdadeiramente fãs e defensoras da marca.

Os blogs e demais formatos de conteúdos 

Voltando às modalidades de inbound, os blogs provavelmente são o principal canal de marketing de conteúdo do universo corporativo.

É por meio deles que as empresas conseguem dar dicas importantes sobre o seu produto ou serviço, manter o público informado sobre as novidades e, com isso, captar mais leads.

A dica de ouro aqui é criar conteúdos originais (que não simplesmente copiem outros sites) e de relevância, que agreguem valor ao público.

Por exemplo, ao escrever sobre película para janelas residenciais, talvez a melhor dica seja sair um pouco da esfera digital, evitando os conteúdos da concorrência, e recorrer ao manual de fabricação do produto, o que provavelmente irá oxigenar o seu material.

O mais interessante é que os posts de blogs também podem ser adaptados para vários outros canais. 

É possível juntar vários deles e criar um e-book, por exemplo; ou então, resumi-los e criar postagens em redes sociais.

Em alguns casos, os artigos ainda podem servir de pauta para podcasts e webinários, que são canais de áudio e vídeo que permitem uma interação maior com o público, como para tirada de dúvidas.

Bônus: a otimização das suas páginas

Por fim, é muito difícil falar sobre marketing de conteúdo sem focar o papel dos motores de busca na rotina de todas as pessoas.

Não é segredo para ninguém que, atualmente, os internautas tiram quase todas as suas dúvidas pela internet. 

Com isso, seus materiais gerados precisam aparecer nessas plataformas.

Assim, quando o cliente for pesquisar algo sobre “jateado para vidro”, por exemplo, você terá a chance de aparecer na primeira página.

As estratégias de SEO (Search Engine Optimization), que fazem a otimização das suas páginas para os motores de busca, ainda têm o mérito de realmente tornarem seus conteúdos melhores.

Elas fazem isso por meio dos algoritmos ou exigências que você precisa cumprir, que determinam que seu texto seja bem formatado, que seja original, e daí por diante.

Com isso, fica-nos claro que o segredo para se destacar da concorrência na aplicação do inbound marketing é estar sempre em dia com as novidades da esfera digital, além de garantir um conteúdo cada vez melhor para o seu público.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Quero acompanhar as novidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.